Livro "Morro Jaraguá: o senhor dos vales" expõe histórias inusitadas sobre o pico mais majestoso da cidade de São Paulo

Um dos poucos livros que possuem o bairro Jaraguá como assunto é aquele de autoria do historiador Wilson Alves de Castro intitulado "Morro Jaraguá: o senhor dos vales", o qual teve sua primeira edição publicada em 1998.

Capa do livro "Morro Jaraguá" de autoria de Wilson Alves de Castro
Capa do livro "Morro Jaraguá" de
autoria de Wilson Alves de Castro
Wilson, para quem não sabe, é filho de Albino Alves de Castro (1903-1984), português que veio à cidade de São Paulo em 1929, morou por 10 anos em uma das 7 maravilhas antigas do distrito, o Casarão Afonso Sardinha (de 1931 a 1941), e teve a ideia de construir uma estátua ao apóstolo Paulo no alto do Pico do Jaraguá, o que gerou uma lei que nunca foi cumprida.

Conta o blogue "Don Queixote Vassourinha" que, aos 6 anos, Wilson se perdeu da família no Parque da Água Branca, o que o levou a viver na rua com outros meninos e, posteriormente, no porão da igreja do pátio do colégio Álvares Penteado, onde passou a estudar. Quatro anos mais tarde, ele vencera um concurso na escola que estava sendo visitada pelo pai do político Jânio Quadros, o Sr. Gabriel Quadros, que o levou para morar consigo. Só aos 30 anos é que Wilson reencontrou sua família original.

Tendo sido criado por políticos, Wilson herdou deles a prática de se envolver em reuniões, eventos e ações sociais de diferentes tipos. Também por isso ele permaneceu (até os dias atuais) engajado nas questões que envolvem o Pico do Jaraguá. É daí que parte a autoridade para ele ter publicado a já referida obra.

A edição que tenho em minhas mãos do livro "Morro Jaraguá" foi adquirida junto ao autor em 2012 em um almoço na Praça da Sé, em São Paulo, quando o próprio Wilson me contou que havia impresso 10 mil cópias de forma independente.

A obra conta com 96 páginas, nas quais Wilson intercala textos de sua própria autoria com trechos de livros e com matérias da Folha da Manhã, Diário Popular, Pirituba News, Jornal da Tarde e Revista Geográfica, algumas delas veiculadas há quase 80 anos.

Apesar da mistura de formatos, o livro possui uma certa ordem. Ele começa abordando dados gerais, em seguida passa para dados históricos que se referem à colonização do Brasil e ao uso do Pico do Jaraguá como "bússola" pelos Bandeirantes que, em suas idas e vindas do planalto para o interior Paulista, usavam o morro como referência geográfica.

Na sequência, Wilson expõe os decretos que viabilizaram a compra da Fazenda Jaraguá pelo Governo, a consequente transformação do local em ponto turístico, a ideia da construção do monumento ao São Paulo Apóstolo e outros inúmeros projetos inacabados.

A obra não trata em si especificamente sobre o bairro Jaraguá, mas reconstrói uma história que a população em geral desconhece e que é parte fundamental para entender a origem e desenvolvimento do distrito.

O livro pode ser acessado gratuitamente a partir de diferentes bibliotecas de São Paulo ou comprado diretamente com o autor, com o qual é possível falar a partir dos meios de contato disponíveis no site Pico Jaraguá TV Cine Cultura.

Para saber mais sobre o maior dos projetos inacabados do local leia o artigo "Lei abriu crédito para construção de estátua de 75 metros ao apóstolo Paulo no Pico do Jaraguá, mas a Globo impediu o projeto".

Sobre o Autor:
Marinaldo Gomes Pedrosa Marinaldo Gomes Pedrosa é formado em Jornalismo pela UniSant'Anna. Vive no bairro Jaraguá desde 1976.

Comentários